segunda-feira, 10 de setembro de 2018

O Brasil que eu quero


Não tem medo em cada esquina, em cada curva, em cada beco.
Não pode ter necessidade de trocar comida por voto.
Não pode acreditar em tudo que lê na rede social sem ler no jornal.
Não pode deixar a água correr rua abaixo e não chegar ao local correto da pessoa de bem.
Não pode aceitar que um jogador de futebol seja mais importante que um faxineiro, que um padeiro, que um leiteiro, que um professor.
Não pode fechar os olhos para o pensamento alheio em relação a sua escolha sexual.
Não pode deixar que cor de pele seja importante para algo.
Não pode deixar que ninguém seja melhor que ninguém.
Não tenha distinção de inteligência e acredite que mulheres e homens são iguais.
Não passa na rede Globo. Também não passa no SBT, na Record, na RedeTv, na Band, na Gazeta, na Cultura ou na tv paga.
Todos, no mundo todo, tem direito à vida, à segurança, a ser feliz.

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

A culpa não é do Neymar

Desde sempre as pessoas, inclusive eu, vivem culpando o Neymar por cada coisa que ele deixa de fazer ou ganhar.

Mas a culpa não é dele, ou não só dele, é de uma geração. Não sei a geração com a idade dele ou a idade dos pais dele, mas é uma turma todo movida ao mimo, uma parte da população que está diretamente ligada ao choro caso não consiga o que quer.

Mas pensando bem, acho que o problema está no povo brasileiro, que está assim mesmo, visto o impeachment da presidente Dilma, ou vá me dizer que aquilo não foi coisa de pessoas mimadas? Votaram mas não viram seu candidato vitorioso, já que, salvo engano, o resultado da eleição foi de 51 a 49, ou seja, país totalmente dividido, e esses 49 fizeram e aconteceram para tirar ela.

As crianças, em sua maioria, choram para conseguir as coisas pois ainda estão aprendendo a lidar com a vida, mas no caso do Neymar, ou de qualquer outro adulto, isso não é passível de compreensão, temos que aprender que uma vez se ganha e outra não, que a gente precisa saber lidar com a derrota e entender que faz parte do crescimento.

Esse tipo de pessoa, seja eu, você ou o Neymar, não podemos nos apequenar por conta de não conseguir o que queremos e cair no choro para ter por “merecimento” alheio. Temos que valorizar o que temos e lutar por coisas boas sempre, mas sem essa de “eu tenho que ganhar sempre”

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Alô?!?!


Qual o numero do seu telefone? Aliás, quantas pessoas te ligam ou para quantas você liga diariamente? Se a resposta for menos que os contatos do seu WhatsApp significa que seu aparelho já foi eficaz, ou melhor, é mais eficaz do que realmente poderia ser.

Você troca mensagens com as pessoas, você manda áudio, vídeo, ou melhor, você fala com a pessoa ao vivo via câmera e a vê também!!! Fim dos tempos.

Nada disso meu amigo e sim a evolução de algo revolucionário que é o telefone. Hoje seu smartphone faz tanta coisa que quando você recebe uma ligação logo pensa se é venda de alguma empresa de telefonia, fadada a falência, alguma cobrança ou que algum parente está ruim, pois tudo se faz agora de forma tecnologicamente mais fácil.

Ouse pensar em seu numero de telefone fixo de quando você tinha lá seus 10 anos, ou então daquele parente que gostava de falar, será que você lembra do numero? E quanto tempo ligava para essa pessoa? Quanto tempo ficava na linha com a pessoa?

Hoje os tempos são outros e tudo se resolve da melhor maneira, com um simples click.

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

vitrine de produtos estragados da outlet


Que eleição será essa?

Passada a euforia da ridícula participação brasileira na Copa do Mundo de futebol e do Neymar vir à público pedir desculpas com o bolso cheio e a cara limpa com a barba feita pela Gillete o Brasil volta-se para a eleição de outubro.

Sim, uma eleição que deve mexer com os ânimos dos brasileiros, afinal, tem hoje um pré candidato que é ex presidente e está preso, tem o Ciro Gomes que adora falar umas groselhas, a Marina Silva que parece que não vai conseguir dar o próximo respiro, o Geraldo Alckmim que não decola, a Manuela D´Avilla querendo mostrar a força da mulher gaúcha e tantos outros...

Mas nenhum rouba mais a cena do Bolsonaro. Cara louco de tudo. Quer liberar armas, quer acabar com as cotas, acha que os escravos só aconteceram porque eles quiseram ser escravizados, que quer que se esqueça todo o passado da ditadura e dos militares, quer um Brasil grande igual ao Trump tem feito com os E.U.A. segundo ele próprio, ou seja, um militar fanfarrão que quer o poder para fazer disso tudo o quintal dele. Mas o pior é que tem um monte de gente interessada em votar nele, ele tem um fã clube imenso, seguidores fervorosos que o acompanham e, acredite, acreditam piamente nele.

O país está perdido. O que temos ai é uma vitrine de produtos estragados da outlet mais fraca do shopping. Que seja o que Deus quiser, porque esperar do povo não dá, pois eles brincam de Escravos de Jó “tira, põe, deixa ficar”

quinta-feira, 15 de março de 2018

Estafa

Tenho percebido que estou cansado. As coisas do dia a dia estão me deixando numa estafa danada, sem pique, pior, sem vontade de lutar para melhorar.

Logo eu que sempre procurei dar o meu melhor, procuro acordar vendo somente o lado bom da vida, que quero o melhor para todos...

Muita informação, vivemos num período de que tudo é rápido demais, que tudo tem que ser para o ano passado, que tem que estar pronto logo que se pede, que tem que ter solução imediata. Nada pode esperar, nada pode ser criativo pois o importante é divulgar a ideia.

Pessoas transferindo suas obrigações, pessoas transferindo suas duvidas, pessoas transferindo seus medos e suas infelicidades.

Você fica sobrecarregado, cheio do que não é seu e cheio do que é dos outros e o seu fica ali, num cantinho por um bom tempo.

Medo de como vai ser o futuro, de ver essas crianças que nascem hoje e já se veem nisso de correr, e vai ser normal para elas essa correria, mas a duvida é, será que é necessário mesmo correr tanto?


quarta-feira, 14 de março de 2018

A gravadora sabe tudo


Sempre amei ouvir rádio, vem desde a infância esse gosto e adoro a surpresa que pode vir musica após musica.

Amo ouvir discos. Sentar ou deitar, colocar o disco para tocar, pegar o encarte, seguir a letra, enfim, ouvir tudo que o artista resolveu criar e divulgar.

Tenho ouvido muitas discografias de vários artistas dos mais variados gêneros, indo do Rock ao Punk, passando por MPB, Sertanejo, Pop, Samba, Indie, enfim, de tudo um pouco, e percebo que muitos discos são muito vazios, muitas musicas parecem estar ali para contemplar uma ou outra ideia.

Difícil ver que, a musica que toca na radio é realmente a melhor do álbum... você vai atrás da obra completa e percebe que o artista tem pouquíssimas coisas relevantes quanto aquela que toca na radio.

Gosto de pegar coisas desconhecidas e tentar eu ver qual seria a melhor, mas quando vou atrás percebo que o que tocou na radio ou no YouTube é oque realmente tem conteúdo, o resto parece sobra total, nisso ficamos esperando os famigerados “The best of”