segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Você é o motorista da sua vida?

Estava me recordando de musicas de sucesso popular, que o povo canta a todo pulmão como se fosse um grito de libertação. Vou citar essas duas (apenas os trechos que merecem destaque):

Zeca Pagodinho – “Deixa a vida me levar”
E deixa a vida me levar (vida leva eu)
Deixa a vida me levar (vida leva eu)
Deixa a vida me levar (vida leva eu)
Sou feliz e agradeço por tudo que Deus me deu

Só posso levantar as mãos pro céu
Agradecer e ser fiel ao destino que Deus me deu
Se não tenho tudo que preciso
Com o que tenho, vivo
De mansinho, lá vou eu

Skank – “Vou deixar”

Vou deixar a vida me levar
Pra onde ela quiser
Estou no meu lugar
Você já sabe onde é

Com certeza você já ouviu essas duas canções e deve ter percebido o “apelo” delas não é?

Assim, se a vida é minha e sei que Deus pode conduzi-la ok, vou deixar Ele me levar, mas será que Deus só quer isso pra mim? Será que não posso ir atrás de outras coisas? De aprender a cair e levantar? De fazer da minha vida diferente da vida dos outros?

Pra mim essas duas musicas mostram pessoas cômodas, conformadas com a vida que tem, com o pouco que tem. As vezes são os “falsos humildes” que querem agradecer ao que tem, mas vivem almejando o do outro.

Por isso eu prefiro essa musica cantada pelo Fagner, chamada “Quem me levará sou eu”:

Quem me levará sou eu
Quem regressará sou eu

Ainda sou o dono da minha vida, sei que posso ir, onde ir, o que fazer e onde fazer, a vida é minha, eu a guio, eu a conduzo, não posso ficar parado esperando que façam dela o que quiserem. E você?

5 comentários:

  1. Muito boa a sua observação! Adorei! Embora eu goste muito de uma frase bem parecida com essas que você citou, que é: " o acaso vai me proteger, enquanto eu andar distraído" . Na verdade temos que dirigir as nossas vidas (...) mas que vez por outra é muito confortável "jogar" ela na mão do acaso, ah! Isso é! Rsrs. Beijão! ^__^

    ResponderExcluir
  2. Eu ando por uma rua. Há um buraco fundo no meio da rua. Eu caio no buraco. Não é minha culpa. Demora uma eternidade para eu conseguir sair.

    Eu ando pela mesma rua. Há um buraco fundo no meio da rua. Eu finjo não ver o buraco. Eu caio de novo. Eu não posso acreditar que caí no mesmo lugar. Mas não é minha culpa. Demora muito para eu conseguir sair.

    Eu ando pela mesma rua. Há um buraco fundo no meio da rua. Eu vejo o buraco. Eu ainda assim caio no buraco...é um hábito. Meus olhos estão abertos. Eu sei onde eu estou. É minha culpa. Eu saio imediatamente.

    Eu ando pela mesma rua. Há um buraco fundo no meio da rua. Eu dou a volta e não caio no buraco.

    Eu ando por outra rua.

    Passei a controlar a minha vida.

    Abraço Ronaldo, gostei da matéria

    ResponderExcluir
  3. Já tinha pensado nisso, mais não analisado como você analisou. Fazer o que né, tem gente que tem criatividade para escrever músicas boas, e gente para manipular pessoas.
    Muito bom.

    Olha, gostaria de pedir encarecidamente que você entre no meu blog e veja o ultimo post, e você como professor,gostaria que desse sua opinião sobre o assunto.
    Obrigada, e não deixe de ver, preciso de muita ajuda.
    http://lindsay-make-up.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. O que te fez pensar nisso rapaz?!

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Maravilha!!!
    Como é gostoso poder entender o que vai no coração dos outros.......adorei seu texto!!!
    Nos deixa pensando.....temos mesmo que nos dirigir com todo cuidado, apreciar a vida, que já é por demais encantadora!!!!
    Parabéns amigo.....
    Bom fds...
    Bjs

    ResponderExcluir

É legal expor o que pensamos, eu já fiz a minha parte e você está fazendo a sua agora, e eu agradeço.